Notícias


Inovação & Atualidade Postado em terça-feira, 27 de abril de 2021 às 13:39


O Grupo soma pagará R$ 9,630957 à vista e R$ 1,625107 ação ON para cada ação da Cia Hering.

O Grupo Soma (SOMA3), dono das marcas de vestuário Farm e Animale, fechou um acordo de fusão com a Cia. Hering (HGTX3)  que avalia a varejista de moda em mais de R$ 5 bilhões.

Após o anúncio, as ações HGTX3 chegaram a saltar 36,38%, a R$ 30,93, fechando com valorização de 26,19%, a R$ 28,62. O valor de mercado da Cia. Hering passou de R$ 3,68 bilhões para R$ 4,65 bilhões, um aumento de R$ 965,45 mil.

As ações SOMA3, por sua vez, chegaram a subir 4,96% na máxima pela manhã e bateram os R$ 14,80. Contudo, os ativos entraram em leilão e voltaram a operar por volta das 10h45 com queda, que se seguiu por toda a sessão. Os papéis SOMA3 fecharam em queda de 10,14%, a R$ 12,67.

De acordo com fatos relevantes emitidos por ambas, os acionistas da Cia Hering receberão 1 ação ON e 1 PN da nova companhia por cada ação que detêm atualmente.

O Grupo Soma pagará R$ 9,630957 à vista e 1,625107 ação ON para cada ação da Cia Hering.

As companhias assumiram compromisso de exclusividade, cujo descumprimento prevê pagamento de multa de R$ 250 milhões.

O anúncio ocorre quase duas semanas após a Cia. Hering ter informado que recusou uma proposta não solicitada de fusão feita pela Arezzo (ARZZ3).

As companhias informaram em comunicado que avaliam a operação como transformacional no que tange a consolidação de uma plataforma de marcas no varejo de moda, ampliando o mercado endereçável total, conectando diferentes audiências e abrindo um novo espaço e avenida de crescimento dado o portfólio altamente complementar.

“A operação oferece oportunidades relevantes de geração de valor através da captura de sinergias operacionais entre as partes, principalmente no que tange o crescimento da receita e da margem bruta, como também através de maior eficiência em despesas e investimentos”, afirmaram as companhias.

As varejistas destacaram que as operações terão como pilares centrais: (i) utilização e difusão de uma cultura digital e implantação de produtos digitais do Soma Labs em todas as etapas da cadeia de valor de Hering; (ii) transferência de know-how entre pesquisa e desenvolvimento das marcas; (iii) fortalecimento da cadeia de fornecimento, com maior escalabilidade e capacitação industrial para produção verticalizada de algumas linhas de produtos das marcas atuais do grupo Soma; (iv) expertise em franquias sendo difundida para algumas marcas do grupo; (v) potenciais ganhos de eficiência tributária e operacional entre áreas e (vi) execução de colaborações (“collabs”) entre marcas utilizando do alto volume de clientes de Hering e do Grupo Soma.

O BR Partners atuou como assessor financeiro da Companhia, e a G5 Partners e o Banco Santander atuaram como assessores financeiros do Grupo Soma. Os escritórios de advocacia Machado Meyer e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados estão atuando como assessores legais da Companhia e do Grupo Soma, respectivamente.

Pedro Serra, gerente de Research da Ativa Investimentos, destaca que, olhando para Hering, o Soma Labs em todas as etapas da cadeia de valor de Hering, além da difusão da cultura do Grupo Soma, pode ajudar e acelerar a virada da Hering, que é uma gigante da moda e que nos últimos anos não estava conseguindo virar a chave da sua operação.

Apesar dos possíveis ganhos no futuro, a avaliação é de que o grupo Soma pode ter oferecido um valor elevado pela empresa, segundo o analista Henrique Esteter, da Guide Investimentos.

A empresa “pagou R$ 5,1 bilhões por uma empresa que valia R$ 2,7 bilhões em bolsa há poucos dias. A proposta da Arezzo deixou mais do que evidente que uma elevação na oferta seria necessária. Porém, o Soma, através de uma forte diluição para os acionistas atuais, precisará demonstrar ao mercado que vai conseguir emplacar uma reestruturação forte de digitalização e rentabilidade na Hering para fazer jus a tal valor desembolsado”.

Fonte: Infomoney