Notícias


Varejo & Franquias Postado em quarta-feira, 04 de dezembro de 2019 às 17:18
Para aumentar os resultados, os varejistas apoiam-se em diversos indicadores que promovem uma previsão dos resultados de vendas dos próximos períodos. Um dos grandes desafios é como levar os dados para a realidades das pessoas que compõem a equipe. Se as lideranças souberem exatamente o que significa cada um desses indicadores, essa tarefa pode ser facilitada e a equipe beneficiada.

De acordo com o pensador William Edwards Deming, “não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende e não há sucesso no que não se gerencia”. Então, vamos conhecer um pouco sobre indicadores essenciais para potencializar os resultados da sua equipe e escalar sua empresa.

1. Taxa de conversão: pode ser medida por meio de sistemas específicos como contadores de fluxo automáticos, ou então, pode ser realizado através do comprometimento da equipe. Esse indicador mede a quantidade de clientes que compraram dividido pela quantidade de fluxo na loja. O indicador pode ser trabalhado individualmente com o objetivo de entender quais são os vendedores que e, assim, pode ser realizado benchmarking com os demais para demonstrar as técnicas mais assertivas de vendas.

2. Peças por atendimento: mede o desempenho da equipe em relação à venda de produtos adicionais. O cálculo é simples e o resultado, extraordinário. É só dividir o valor total de vendas em um período pelo número de peças vendidas nesse mesmo período. Se um vendedor vendeu 20 peças em um dia que foram realizadas 10 vendas, logo seu PA é de 2, ou seja, ele vendeu em média dois produtos para cada atendimento realizado. Esse indicador é ideal para trabalhar com sua equipe estratégias de oportunidades de vendas ou cross selling.

3. Tíquete médio: para esse cálculo, é considerado o valor total das vendas dividido pela quantidade de tíquetes/cupons emitidos. Se realizamos uma venda total de R$ 10 mil para 50 vendas (tíquetes/cupons), representando um tíquete médio de R$ 200, esse indicador se torna uma referência para que a equipe compartilhe do mesmo objetivo.

4. NPS (Net Promoter Score): representa nota média de indicação da sua empresa. É realizada uma pesquisa de satisfação com a seguinte pergunta: “Em uma escala de 0 a 10, o quanto você indicaria nossa empresa para um amigo?” A resposta do indicador traz o percentual de clientes promotores e de clientes detratores.

Imagina agora sua equipe com propósito bem definido, metas e indicadores estabelecidos, bem treinada e compartilhando experiências com esses indicadores em reuniões diárias? Ah, as reuniões devem ser bem objetivas e rápidas. Nada de passar a manhã toda falando, falando… O importante é construir uma base sólida, mostrando a importância que cada um tem e o que cada um pode entregar para que toda empresa tenha sucesso. Foco no foco do cliente, esse é o foco!

Fonte: couromoda
Gestão & Liderança Postado em quarta-feira, 04 de dezembro de 2019 às 17:17
Inovar significa fazer alguma coisa diferente, mas não adianta chegar na empresa e avisar aos funcionários "hoje quero que todos comecem a inovar."

O primeiro passo para o empresário acreditar que a inovação pode entregar resultados é explicar muito bem esta palavra: inovação. O que significa inovar? Para que inovar? Caso contrário, vai parecer que inovar é uma coisa de gente muito estudada, difícil de implementar, demorada e que vai absorver muitos dos recursos da organização.
Inovar significa fazer qualquer coisa diferente na sua empresa (uma mudança, uma atitude, uma ideia, uma invenção,) que traga uma redução de custos, um maior aproveitamento dos recursos, e, principalmente, novos produtos ou serviços para seu mercado, ou até, que abra mercados com novas soluções. A semelhança entre todos estes tipos de inovação é que traz mais dinheiro para a empresa e gera valor agregado.

Bem, se estivermos convencidos de que queremos esta Inovação de Resultados, como começamos a inovar? Não podemos simplesmente chamar todos os colaboradores da fábrica e das áreas administrativas no dia seguinte e, de forma motivada, dar a seguinte orientação: “a partir de hoje eu quero que todos vocês tragam novas ideias e as implementem o mais rapidamente possível, gerando o maior número de inovações para que nossa empresa cresça de forma sustentável”. Devemos iniciar, sim, com um trabalho gradual e sistemático de construção de um ambiente de inovação na empresa: tirar de posições chaves pessoas que “são do contra”, procurar e achar indivíduos que costumam criticar de forma construtiva tudo que existe na empresa ou dar continuamente muitas sugestões (não é fácil detectá-las, pois costumam ser renegadas ou já foram demitidas!), implantar um sistema aberto e eficaz de ideias e sugestões para todos os funcionários e promover a integração de todas as áreas da empresa (a inovação é atualmente um fenômeno de criação em sociedade). Para estas tarefas, peça ajuda ao seu departamento de recursos humanos (verifique antes se você não tem apenas um setor de relações industriais, cheio de “pessoas do contra”) e contrate uma consultoria menor e especializada em intraempreendedorismo (lembre-se: inovação é um investimento e, como tal, para trazer resultados, exige aportes iniciais).

Paralelamente, com pessoas de sua total confiança e que tenham responsabilidades e poderes claros, forme um tipo de Conselho Estratégico da empresa, que terá a função de construir um planejamento estratégico, elaborar seu desdobramento econômico e tecnológico (“quais são as tecnologias que minha empresa conhece e quais precisa desenvolver para inovar”), que definirá na organização quem e como vão ser desenvolvidas as inovações (um daqueles “críticos construtivos”, uma equipe interna, um centro de desenvolvimento externo) e que tenha a clara atribuição de reservar uma verba (investimento) para inovação e fazer o acompanhamento de sua aplicação. O que sempre repito: inovação de resultados é, principalmente, um alinhamento inteligente de pessoas competentes, um bom ambiente, processos sistemáticos e dinheiro bem aplicado.
Fonte: Endeavor.org