Notícias


Estratégia & Marketing Postado em terça-feira, 13 de março de 2018 às 21:03
Em meio ao ranking das empresas mais inovadoras do mundo, divulgado nesta semana, algumas lições e premissas de inovação podem ser extraídas, de acordo com o perfil de cada companhia. Os exemplos de gestão foram citados pelo editor da revista americana Fast Company, Robert Safian, que elencou nove dicas – baseadas em casos de grandes empresas do mundo – para inovar e se destacar em 2018.

1)  Inovação é olhar sempre para frente…

“O importante na inovação é sempre olhar para frente. A Apple, por exemplo, não se preocupa com o preço das ações. O CEO Tim Cook afirma que prestar atenção nos números de ganhos trimestrais distrai de estratégias de longo prazo e investimentos que são, na verdade, a fonte do sucesso da empresa”.

“Os prazos que realmente importam para a Apple estão relacionados às expectativas internas. A empresa não se preocupa com a visão de investidores externos. É preciso um equilíbrio entre a velocidade – uma necessidade e desejo de continuar melhorando – e paciência”.

2 ) . . . mas cuidado para não dar um passo maior que a perna

“Ausentes na lista empresas mais inovadoras deste ano, Facebook e Alphabet (holding do Google) são exemplos disso recentemente. Isso porque ambas, de maneiras diferentes, tropeçaram. Importunadas com o crescimento das fake news e discursos de ódio, as companhias não fizeram o suficiente para proteger a si mesmas e seus usuários”.

“As empresas hoje não podem se esconder das consequências de suas ações, mesmo que elas não sejam intencionais. Corrigir o problema após o fato ocorrido pode ter um custo significativo.”

3) Defina causas, valores e engajamento social

“Todos os negócios podem ser uma plataforma de impacto cultural, e não, simplesmente, através de programas de responsabilidade social corporativa na própria empresa. A Patagônia (loja de vestuário dos EUA) teve um ano excepcional – financeiramente, bem como no domínio da opinião pública – porque se inclinou para o ativismo ambiental”.

“‘Fazer um bom trabalho para o planeta cria novos mercados e nos permite lucrar ainda mais’, explica a CEO Rose Marcario, que investiu em novas iniciativas de reciclagem e materiais duráveis, ao mesmo tempo que desafia várias políticas governamentais. A CVS (rede de farmácias dos EUA) também prosperou removendo produtos com elementos químicos nocivos de suas prateleiras, bem como classes de alimentos não saudáveis.”

4)  Seja transparente

“Por que uma empresa divulgaria voluntariamente sua margem de lucro em cada item que vende? Porque uma companhia não deveria estar envergonhada com o que os consumidores descobrirão, e isso, por sua vez, pressiona os outros a serem mais abertos”.

5) Diversidade é oportunidade

“A Marvel Studios reforçou sua posição de liderança apostando em novos tipos de heróis, com variados perfis e estilos. A Sephora também segmentou os produtos para uma gama mais ampla de tons de pele, incluindo uma parceria com a nova marca Fenty Beauty, da cantora Rihanna”.

6) Comece a priorizar a gestão de dados e pesquisas

“Os geeks da matemática e as empresas de tecnologia não são os únicos que utilizam dados de maneiras inovadoras. Há formas de inovar utilizando esses recursos e descobrir novos nichos”.

7) Mergulhe na inteligência artificial

“As máquinas não assumiram o controle, mas estão habilitando novas atividades, desde pesquisas visuais no aplicativo do Pinterest até um planejamento de viagem aprimorado e em tempo real”.

8) Adote o pagamento sem dinheiro nas plataformas mobile

“Os smartphones são ferramentas essenciais como interação entre clientes e empresas e também são o epicentro da explosão dos pagamentos sem dinheiro – grande tendência do mercado”.

9) Mantenha a fé no negócio

“Todos nós temos dias bons e ruins, que variam entre momentos de adulação e desespero. O que permite que as organizações inovadoras  e seus líderes  sigam avançando é a esperança de que o amanhã trará conquistas ainda mais satisfatórias”.

Fonte: Novarejo
Estratégia & Marketing Postado em terça-feira, 13 de março de 2018 às 20:45
Afinal, o que é mapear a jornada de um cliente? As novas tendências do varejo explicitadas por especialistas caminham para a atenção total ao hábito de consumo dos clientes e como se conectar a eles da melhor forma. A intenção é mapear cada etapa do processo de compra, de acordo com o perfil dos consumidores dos produtos de determinado empreendimento.

Atualmente, a complexidade de se vender um produto e identificar o padrão se complica pela multicanalidade dos processos de compra. Dessa forma, a empresa deve fidelizar o cliente compreendendo sua jornada. Confira abaixo cinco formas que a plataforma do Google separou em seu espaço de discussão:

1. Encontre o ponto de encontro entre os objetivos de seus clientes e o alinhamento da empresa

“Antes de começar o mapeamento da jornada, anule os objetivos de sua empresa. Qualquer marketing e comunicação que você fizer durante a jornada do cliente devem ser focados em ajudar sua marca a atingir esses objetivos. No entanto, é importante reconhecer que os objetivos de seus clientes podem ser diferentes dos seus.

Por exemplo, digamos que seu objetivo é vender mais óculos de sol com lentes novas e melhoradas que tenham uma melhor margem de lucro. Enquanto isso, a preocupação principal de seus clientes pode ser obter óculos de sol que combinem com seu estilo pessoal. A proteção da lente pode ser sua segunda ou mesmo terceira prioridade.

Considere como estratégias de marketing e comunicação ajudar seus clientes a atingir seus objetivos, enquanto você também está perto do seu.”

2. Identifique todos os pontos de contato de comunicação na jornada do seu cliente

“Quando você tradicionalmente se comunica ou se envolve com os clientes? Faça uma lista desses momentos e agrupe-os com base no momento da viagem: pré-compra, compra e pós-compra.

Agora, encontre pontos de contato de comunicação que você pode ter perdido. Acompanhe quais ações e interações entre sua marca e seus clientes ocorrem antes e depois de cada uma das etapas pré-compra, compra e pós-compra.

Por exemplo, você pode decidir que um momento importante na etapa de compra é quando seus clientes são orientados pelo seu site para comprar um item no carrinho de compras. Mas você pode notar outros pontos de contato de comunicação logo antes desse momento de compra, como seu site confirmando aos clientes que um item foi adicionado ao carrinho de compras, sugerindo produtos relacionados.

A procura de todos estes pontos de contato pode acelerar rapidamente em muitos detalhes e microinterações. Para evitar isso, priorize os momentos que o aproximam de alcançar seus objetivos de negócios.”

3. Reconheça pontos de dor e momentos de prazer

“Como seus clientes se sentem nas fases de pré-compra, compra e pós-compra à medida que tentam alcançar seus objetivos? Por exemplo, seus clientes podem ser felizes em que seu site facilite a navegação, mas frustrado com a confusão que é comprar um produto?

Encontre os momentos em que seus clientes podem ter experiências negativas. Quem em sua equipe está envolvido nesses pontos de contato? Seus web designers? Sua equipe de marketing? Seus copywriters? Existem outros membros da equipe que poderiam colaborar e melhorar a situação?

Diga que um cliente gosta de como seu anúncio on-line descreve seu produto. Mas quando eles vão à sua loja, os vendedores apresentam o produto de forma diferente. Essa é uma oportunidade para seus copywriters e vendedores para melhor alinhar seus idiomas e campos de vendas.”

4. Experimente você mesmo a jornada do cliente

“Imaginar como seus clientes podem se sentir durante sua jornada é valioso, mas, na verdade, experimentá-lo por si mesmo pode descobrir as idéias muito necessárias.

Se o seu negócio for executado online, abra um navegador e experimente o que é ser seu cliente. Da mesma forma, se você tem uma loja de tijolos e argamassa, vá para um local que vende seu produto. Depois, pergunte-se sobre os principais pontos de contato de comunicação que você encontrou. Eles funcionaram bem? Eles o ajudaram a completar sua jornada? O que estava faltando?

E não se esqueça da concorrência. Torne-se um dos seus clientes e experimente a jornada que eles criaram. Em seguida, faça todas as mesmas perguntas.”

5. Visualize o mapa de viagem do cliente

Vá além de apenas anotar seus pontos de contato de viagem e comunicação, e crie um mapa visual deles. Isso não precisa ser uma visualização polida e altamente projetada. Basta escrever cada um dos seus pontos de contato em notas ou papéis individuais, e depois pino-os para uma parede. Ao fazer este exercício, você está ajudando sua equipe a ter uma visão panorâmica de toda a viagem do cliente.

Fonte: Novarejo