Notícias


Estratégia & Marketing Postado em quarta-feira, 07 de agosto de 2019 às 15:41
Há alguns anos, o varejo tradicional americano tem passado por uma verdadeira revolução. Milhares de lojas foram fechadas num mercado, que é considerado uma bússola para o empresariado de todo o mundo.

Entretanto, junto com alguns colapsos, surgiram também muitas boas ideias. Como as visitas às lojas físicas despencaram nos últimos anos (cerca de 15 bilhões de visitas a menos), muitos varejistas entenderam que era preciso mudar.

A conveniência digital mudou os hábitos e as expectativas da clientela sobre esses espaços. Cada vez mais habituados a achar facilmente o que procuram, os consumidores querem outro tipo de experiência quando saem de casa para ir as compras.

Muitos encontraram um bom caminho numa nova proposta de atuação - reconfigurando seu ponto de venda e transformando-o num ponto de convivência, em que as vendas ficam em segundo plano. Ali dentro, o que vale é se divertir, aprender, descontrair ou até mesmo relaxar.

O PENSAMENTO CRIATIVO DO ESPAÇO FABER-CASTELL 

Há pouco menos de um ano, o Espaço Faber-Castell encanta crianças e adultos a partir da criatividade e inovação dentro de um modelo de loja totalmente interativo, no piso superior da Livraria Cultura do Shopping Market Place, na zona sul de São Paulo.

Muito mais que uma loja, a área de 700 metros quadrados se parece muito mais com uma espécie de brinquedoteca supermoderna. Mobiliada com mesas colaborativas e materiais que vão de lápis à máquina de impressão 3D, onde estão à venda centenas de itens do catálogo de dois mil produtos da marca.


Uma infinidade de materiais fica à disposição das crianças para criar e desenvolver ideias. Aos finais de semana, o espaço ainda recebe oficinas e uma programação. Entre as atividades, há, por exemplo, o desenho do Esquadrão Eureka, formado por quatro personagens criados pela marca: Samuca, Pandora, Gigio e a cadela Engenhoca.

São 12 vídeos que podem ser escolhidos pelas crianças e cada um deles propõe um desafio, como, por exemplo, como será a cidade do futuro? Como torná-la mais segura?

Os temas são então debatidos pelas crianças, em pequenos grupos. Eles pensam em soluções e materializam as ideias. Os projetos são discutidos, e, por fim, as crianças gravam um vídeo compartilhando o que desenvolveram. As crianças podem participar em grupos de escolas, serem acompanhadas dos pais, amigos ou irem sozinhas, sendo apoiadas por monitores.

O ponto de partida para esse projeto foi a percepção da empresa e pesquisas internacionais sobre criatividade.

De acordo com a marca, alguns estudos apontam o pensamento criativo como uma habilidade drasticamente reduzida à medida que as crianças crescem, enquanto outros mostram essa característica como uma cada vez mais vital para as profissões do futuro.

O SONO DOS JUSTOS NA ZISSOU

Com uma flagship nos Jardins, batizada de Casa Zissou vende os colchões da marca e funciona também como um ponto de experiência com eventos voltados para o sono, como sessões de hipnose para melhorar a insônia e até degustação de vinhos com propriedades tranquilizantes.

Com produtos a pronta-entrega, no fundo da loja, há um quarto escurinho, onde o cliente pode testar os produtos. Além da cama e travesseiros, há também um assistente virtual para tocar música relaxante para os clientes tirarem um cochilo quando quiserem.

“Dá para pensar em tecnologias para iluminação, temperatura e umidade corretas para dormir. Nos Estados Unidos, já se fala até em IoS, o internet of sleep”, diz Amit Eisler, 32 anos, co-fundador da Zissou.

O CLIMA COOL DA MORENA ROSA

Para ficar mais próximo ao estilo livre e urbano que a marca propõe, a primeira flagship store do Clube Morena Rosa, inaugurado há poucos dias na rua Oscar Freire, em São Paulo, valoriza o imóvel como um todo com espaços desenvolvidos para a conveniência da clientela.

Com 654 metros quadrados, a nova loja apresenta o conceito de um grande closet. A ideia foi criar um ambiente aconchegante, confortável, clean e moderno, onde a cliente se sentisse em casa, segundo Julio Takano, arquiteto especializado em varejo e responsável pelo novo projeto. Com a fachada da loja totalmente transparente, o piso de seu interior é de madeira, com paredes na textura cinza e dourado, acompanhando o mobiliário.

Em dia com os avanços tecnológicos, nos provadores da loja foi instalado um sistema que permite a cliente controlar a intensidade e temperatura de cor da iluminação.

“Isso é fantástico, pois possibilita à mulher ver como aquela roupa e sapato de fato ficarão no ambiente onde ela irá usá-lo, seja uma balada ou no escritório”, explica Takano.

O provador se estende ao jardim, onde a cliente pode caminhar com as roupas que está experimentando, como se estivesse dentro da sua própria casa. No fundo da loja, próximo aos provadores, fica a área instagramável, uma parede de paetês com balanço.

Para criar um clima ainda mais moderno, o cliente pode tomar um drink em um bar estilizado, perto do caixa ao som de um DJ. Outro charme a mais é o rooftop, área de convivência e eventos, de 190 metros quadrados com sofás, mesas com cadeiras de praias, espreguiçadeiras, bar e até lareira.

A BUTIQUE DA NESPRESSO

Mais que uma loja, um ponto de encontro dos fãs de Nespresso. Essa é a proposta do novo conceito de butique adotado pela empresa, que investe em bar e aulas gratuitas sobre cafés por todo o país.

Uma mudança de caráter arquitetônico que facilita a movimentação de clientes e atendentes foi a primeira mudança realizada nessas novas lojas. Foram retirados os balcões e o atendente poderá acompanhar o cliente com um tablete apresentando os produtos.

Ao chegar à loja, o cliente entra numa fila virtual e em vez de esperar em pé ou "atrás do balcão”, o consumidor pode andar pela loja, sentar em sofás ou se reunir em torno de algumas mesas para aproveitar o que o espaço tem a oferecer, como o Bar Nespresso.

A reformulação foca no aprendizado sobre cafés produzidos pela empresa. O bar funciona como local de descontração e aprendizado. Além de provar coquetéis feitos com café, é possível aprender o passo a passo de cada bebida. 

A cada hora e todos os dias, especialistas em café conduzirem aulas de 20 minutos de duração sobre temas relacionados ao mundo dos cafés. Além de saber de onde vem os grãos que compõem o portfólio, são reveladas curiosidades que seguem as propostas de sustentabilidade e reciclagem incentivada da grife de cafés expressos. É o caso dos tampos das mesas usados no novo ponto de venda, feitos de uma combinação de borra e resina.

Fonte: Diário do Comércio
Estratégia & Marketing Postado em quarta-feira, 07 de agosto de 2019 às 15:29
O iFood abriu uma nova unidade de negócios focada no público corporativo. A empresa criou duas soluções: o iFood Office, que elimina processos de reembolso de refeições das empresas e o iFood Card, um cartão pré-pago que pode ser utilizado para premiar colaboradores.

Office

Se assemelha às soluções desenvolvidas pelos aplicativos de carona, como Uber e 99, criando um método de pagamento corporativo.  Ao concluir a compra o valor é direcionado para a empresa.

Na plataforma, as empresas podem definir limites de gasto por tipo de refeição, por usuário ou grupos com diferentes necessidades. O sistema emite relatórios para gestão das despesas por centro de custos ou projetos.

“Isso garante que as refeições estejam dentro das políticas de cada empresa, dando mais visibilidade e transparência para gestão corporativa. Todas as despesas são reunidas em uma única fatura”, explica Paula Rabelo, head do iFood Empresas.

Para ter acesso ao iFood Office, basta a empresa solicitar o cadastro na plataforma, configurar as regras de acordo com suas políticas de refeição e cadastrar os colaboradores para uso. Os funcionários terão acesso ao método de “Pagamento Corporativo” no aplicativo.



CardO iFood Card é um cartão pré-pago de uso único e pode ser emitido tanto físico como virtualmente. Os usuários podem usar a solução no site ou aplicativo da foodtech. A novidade pode ser usada para presentar colaboradores ou para relacionamento com parceiros e clientes.

“Identificamos diversas ocasiões de alimentação e oportunidades para melhorar a experiência do público corporativo na sua jornada de alimentação. Ao utilizar inovação e tecnologia, que estão no DNA do iFood, queremos levar toda a praticidade que já oferecemos ao consumidor para o mercado B2B”, diz Paula.

Fonte: Novarejo