Notícias


Gestão & Liderança Postado em quarta-feira, 14 de junho de 2017 às 07:21
Frio na barriga, angústia, sensação de fracasso iminente, a vontade de admitir: acabou. É comum que as pessoas se sintam assim quando dão de cara com uma muralha que parece absolutamente intransponível. Esse muro alto pode ser uma doença, uma dívida financeira enorme ou a absoluta falta de recursos para o que se quer realizar. Nesta segunda-feira (5), no palco do Day1, empreendedores brasileiros mostraram que, sim, a barreira é enorme, mas pode ser escalada, desde que algumas atitudes sejam tomadas — às vezes, pode ser tão simples quanto continuar a sonhar.

No evento, que aconteceu na Sala São Paulo e foi assistido online por mais de 55 mil pessoas, 8 empreendedores revelaram qual foi esse ponto de virada, da decisão de escalar a montanha. Aqui, nós selecionamos algumas das principais lições que aprendemos com as 7 histórias contadas, que você pode assistir na íntegra no vídeo acima. Nos próximos dias, você vai poder ler os textos e ver os vídeos detalhados de cada apresentação.

Reinventar-se

João Carlos Martins sempre teve um dom para música. Ganhou um piano do pai e aos 13 anos já iniciava a sua carreira nacional. Mas as dificuldades físicas apareceram cedo também: aos 18 anos começou a sofrer de distonia (distúrbio neurológico que causa contrações musculares involuntárias) e depois passou por vários acidentes que complicaram o quadro. Ao longo de sua vida, ele passou por mais de 20 cirurgias para tentar reverter o quadro. A cada viagem que fazia ao exterior, o pianista procurava por nossos tratamentos e diagnósticos, mas as respostas eram sempre as mesmas: “Não temos o que fazer”. Depois da 10ª cirurgia, os médicos chegaram a dizer que o sonho tinha chegado ao fim. Mas eles estavam enganados.

Depois de receber essa notícia, e de um sonho revelador, o pianista decidiu estudar regência. Reinventar-se como maestro. Descobriu, naquilo, uma nova maneira de viver seu sonho e sua missão pela música. “Na hora em que eu descobri que conseguiria seguir no meu sonho eu tive certeza que tinha que unir isso a responsabilidade social” conta.  E então teve início seu projeto de inclusão por meio da música. “Só posso agradecer a Deus por continuar na música e também por ajudar crianças a alcançar seus sonhos. Antes eu corria atrás dos meus sonhos. Agora os sonhos correm atrás de mim”, contou ele, de olhos marejados.

Lutar sempre

O casal Carlos e Noeli Bazanella mostrou veia empreendedora desde cedo, o que implica alguns percalços: depois de terem relativo sucesso com a venda de shows musicais em Chopinzinho, cidade do interior do Paraná que hoje tem 20 mil habitantes, eles sofreram com uma série de apresentações mal-sucedidas que os levaram à falência. O casal teve que começar de novo.

Do zero. Para ajudar a pagar as contas e dívidas, Noeli começou a fazer alimentos para vender para fora. “Mas eu não queria fazer só comida. Eu queria mais do que isso.”, contou.

Com as novas técnicas, tecnologias e gente boa ao seu lado, aquele negócio que começou na casa de Carlos e Noeli se transformou na Doce D’oce, hoje, a maior empregadora e pagadora de impostos da cidade. “Empreendedores têm de ser exemplos. Não podem buscar atalhos: precisamos saber aonde queremos chegar e não podemos desistir, abandonar a carreira, temos que lutar sempre, porque, com muita dedicação, nós vamos vencer”, disse Carlos. “Temos de seguir desbravando, porque o nosso sonho continua sendo bem maior”, completou Noeli.

Fazer acontecer

José Renato Hopf, fundador da GetNet, CEO da 4all, sempre foi curioso. Ao se mudar para a casa do irmão, que cursava informática, ficou impressionado com tudo que via. Desde então, teve certeza de que as novas tecnologias moldariam o futuro. Ele só não sabia ao certo como isso aconteceria; mas, em poucos anos, encontrou alguém que preencheu esses vazios.

Foi em um evento, em Nova York, que ele teve seu Day1. Uma das palestras, sobre tendências, abordava exatamente as mudanças que a tecnologia traria paras as empresas. Os concorrentes que ali estavam fizeram pouco caso do palestrante, mas José Renato encontrou na fala daquele palestrante as respostas que faltavam. Depois de ter sido chamado de louco pelos colegas, ele chegou a uma conclusão: “Somos feitos das decisões que fazemos, só nós podemos moldar nosso futuro”.  “Em vez de falar do futuro, vamos fazer o futuro acontecer.”

Depois de muitas indas e vindas, voltas e mais voltas, o empreendedor conseguiu tirar a sua ideia do papel.

Manter o foco

Pedro Lima estava no 5º período de agronomia quando decidiu que queria cuidar dos negócios de seu pai, uma figura inventiva que atuava em ramos tão díspares quanto café e sabão. Para a infelicidade da mãe, que prezava muito pela faculdade, Pedro também tinha chamado dois irmãos para embarcar nesse sonho. Depois de algumas mudanças no conceito da marca e de foco, Pedro e seus irmãos resolveram focar apenas no negócio de café: “Não adianta você querer abraçar o mundo que o abraço fica frouxo. Você tem que abraçar com vontade”, explicou Pedro, hoje presidente do conselho da gigante 3Corações.

Não esperar o momento ideal

A relação de Caio com a construção civil começou na infância. Quando era pequeno, uma das maiores diversões do paranaense era acompanhar seu pai nas obras, pegar todos os pregos que encontrava, colocar em um baldinho e depois desentortar cada um deles. Não foi surpresa quando Caio decidiu prestar engenharia. O choque maior foi quando, depois de um ano, ele sentiu que aquilo não era para ele.

Depois de uma viagem pela Nova Zelândia, voltou para casa. Incentivado pela família, continuou o curso por mais algum tempo. Só que, depois da vivência fora, Caio voltou com ideias diferentes e uma inquietação: como posso fazer com que o setor civil seja mais sustentável? O questionamento virou sonho e hoje é parte da missão da Tecverde, empresa que tem obtido muito sucesso ao tornar a construção civil mais industrializada.

De tudo que aprendeu, a maior lição que Caio tira é a de acreditar em si mesmo e no seu sonho; não precisa esperar pelo momento ideal: talvez ele nunca exista.

“Depois de um tempo a gente viu que, por mais que não fossemos grandes, as grandes mudanças começam pequenas. Vimos que tínhamos um sonho gigantesco e um time que acreditava naquilo de corpo e alma.”

Assumir a responsabilidade

“Meu Day1 foi um dia em que eu morri de medo e de pânico na hora de tomar uma decisão. Eu tinha 40 anos, uma filha de 2, um restaurante quase falido e estava no cheque especial”. Foi com essa frase que a cozinheira e empreendedora Paola Carosella iniciou o relato de sua história no Day1. E continuou: “Nessa mesma noite, eu pensei muito e cheguei a 4 certezas: vou morrer; não sou feliz na vida que eu tenho; preciso mudar a minha vida; e sou cozinheira”

A paixão pela cozinha vem da infância e da admiração pela avó. Mais do que um prazer, a culinária também é refúgio para Paola. Durante os momentos mais difíceis que enfrentou, era dentro da cozinha que a chef procurava as soluções. Mas quem vê a Paola de hoje dificilmente acredita que, há 4 anos, ela teve que respirar fundo e adquirir uma dívida milionária no banco para seguir seus sonhos. Na verdade, para começar do zero.  Um caminho que levou a enormes aprendizados.

“Hoje eu tenho a certeza de que consigo traçar o destino da minha vida. E eu tenho uma riqueza que não vem do dinheiro. Uma riqueza que vem de olhar para trás e saber que eu sonhei em fazer alguma coisa, que eu quis fazer alguma coisa que eu consegui fazer. E de olhar para a frente e saber que esses meus sonhos não têm limites e que eu não vou parar.”

Não se isolar

Embalado por palavras sinceras e poemas, Luiz Seabra, fundador da Natura, falou sobre coração, alma — e sua relação com os negócios. Quando fundou a Natura, o empreendedor comprou rosas brancas e mandou imprimir cartões com mensagens sobre o amor e a beleza. Mais do que a paixão pelos cosméticos, Luiz sempre teve um amor pelos relacionamentos, pelo olho no olho. Não à toa a proposta da Natura, desde seu início, era baseada nas vendas diretas, olho a olho.  “Descobri a minha segunda paixão na força das relações.”, contou. “Não somos uma ilha.”

Por mais que no dia a dia não você não possa estar próximo aos clientes ou empreendedores, é preciso compartilhar seus sentimentos e, a partir daí, seguir.

Fonte: Endeavor
Gestão & Liderança Postado em terça-feira, 30 de maio de 2017 às 16:27
Um cenário altamente complexo que atinge em cheio as organizações, seu planejamento, posicionamento e, principalmente, suas pessoas, exigindo uma reinvenção diária, atitudes disruptivas e um protagonismo nunca antes experimentados adicionalmente, a uma velocidade que só cresce. Neste contexto a figura da liderança, individual, empresarial ou governamental, emerge como necessidade urgente. Aquele que assume o manche da situação, que tem a visão e o direcionamento para onde se deve seguir, as diretrizes e principalmente: por que se deve caminhar na direção apontada.

Em célebre frase, Einstein já dizia que não é possível obter resultados diferentes fazendo as mesmas coisas. Em cenários altamente complexos é fundamental evocar o máximo da capacidade analítica para encontrar novas oportunidades, resolver problemas de gestão com alta complexidade, antecipar cenários, criar e executar novas estratégias. Sobretudo a sensibilidade e grande habilidade para desenvolver talentos.

As mudanças desencadeadas passam a exigir profissionais e líderes com novas e exigentes competências e habilidades. De flexibilidade, consistência e multifuncionalidade a multiqualidades.

Uma importante característica deste líder eficaz é que ele não se enfurna atrás de sua mesa no papel de apontar o que cada um deveria fazer, buscando culpados e desculpas para a situação adversa e instável. Este líder está tão profundamente envolvido em sua visão e crença de que tem a responsabilidade de virar o jogo, que seu entusiasmo natural tem o poder de contagiar e inspirar todos que estão ao seu redor. Sua firme vontade de fazer a organização prosperar desperta e alimenta a paixão de todos, conduzindo o time em direção à realização de suas metas.

Os líderes são os verdadeiros agentes de mudança em cenários incertos como os que estamos vivendo. Liderar significa conquistar as pessoas, envolvê-las para que coloquem sua mente, coração, criatividade e excelência a serviço de um objetivo, fazendo com que se empenhem ao máximo nessa missão.

O líder assume o delicado papel de promover segurança à sua equipe, que muitas vezes com poder limitado de tomar decisões, podem se sentir a mercê das incertezas. Esta segurança vem da demonstração que está no controle, que tem autonomia, está preparado e sabe o que fazer em sua missão de liderar o time. O líder transmite a confiança e credibilidade à equipe, posicionando-se com uma referência digna de ser seguida.

Ao líder ainda cabe a função de abrir suas portas, colocando-se à disposição com autenticidade, escuta ativa, compartilhando informações e dando feedback na medida em que ele é possível e necessário.

5 diferenças que a liderança eficaz faz nas organizações em tempos de crise:

- Uma gestão competente munida de uma liderança eficaz permite a manutenção dos ânimos da equipe, fazendo com que permaneçam motivados;
- Características natas de liderança engajam as equipes;
- Um líder autêntico assume as consequências de suas decisões e por isso gera na equipe a percepção de comprometimento e confiabilidade;
- Um verdadeiro líder sabe tomar decisões difíceis sem pestanejar, e em tempos de crise essa tarefa se torna ainda mais importante;
- Em um momento de vários problemas, um bom líder é capaz de trabalhar inúmeras soluções.

Liderar é uma tarefa diária, árdua e complexa, e que traz consigo uma realização impar. A liderança acontece através das ideias, visão clara e princípios bem estabelecidos e é a partir da visão deste líder que toda a equipe irá segui-lo, ou não. Esta visão deve ser inspiradora, e as atitudes do líder devem ser coerentes e estar alinhadas com esta visão. É imprescindível que o líder seja fiel às suas ideias.

Saber aonde se quer chegar, liderar na linha de frente, ter boas pessoas e formar um bom time. Ter em sua equipe bons profissionais, que dominem cada uma das coisas que precisam ser feitas. Não é possível ser bom em tudo sozinho. Esta é a verdadeira importância do trabalho em equipe, pois em um time, os pontos fracos são compensados e os pontos fortes são potencializados. Nenhuma pessoa pode ter todas as habilidades que uma organização ou uma situação precisa. Ter boas pessoas também significa ter pessoas de caráter e valores, sobretudo de coração e atitudes positivas.

Tempos difíceis não criam líderes. Tempos de crise apenas mostram o tipo de líderes que dispomos nas organizações. Liderar no final das contas é mais arte do que ciência, mais ação do que reação, mais quem é você do que o que você faz.

Fonte: Fabiana Mendes - Gouvêa de Souza