Notícias


Economia & Finanças Postado em quinta-feira, 22 de novembro de 2018 às 08:38
No mês de outubro, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), as exportações de calçados cresceram 11,2% em volume (11 milhões de pares) e 31% em receita (US$ 93,77 milhões) em relação ao mês anterior. O melhor resultado do ano para o setor, até então, havia sido abril, quando o faturamento com vendas externas chegou a US$ 93 milhões. 

Na comparação com outubro de 2017, o resultado é praticamente estável: 0,2% de crescimento em dólares. No acumulado deste ano, os calçadistas brasileiros embarcaram 89,8 milhões de pares, que geraram US$ 793,76 milhões

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, explica que a recuperação registrada em outubro passa pelo aumento dos embarques para os Estados Unidos, país que recuperou o posto entre os principais destinos do calçado brasileiro. 

“Provavelmente, e em proporção maior do que esperávamos, já podemos notar o reflexo da medida em vigor desde o dia 13 de outubro e que reduziu o imposto de importação de calçados para aquele país, alguns a zero”, avalia. 

Em outubro, os Estados Unidos importaram 855,5 mil pares por US$ 17,84 milhões, incremento de 18,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. Com isso, os norte-americanos retomam o posto de maior mercado comprador do calçado brasileiro, posto que havia sido perdido para a Argentina deste o início de 2018.

Fonte: Francal
Economia & Finanças Postado em terça-feira, 13 de novembro de 2018 às 15:26
Influenciada pelo comportamento distinto dos seus seis componentes, a atividade industrial gaúcha permaneceu praticamente estável em setembro, na comparação com agosto, aponta o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nesta quarta-feira (7) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). A queda foi mínima, de 0,1%, feito o ajuste sazonal. As compras industriais (-4,2%), o faturamento real (-2,9%) e o emprego (-0,3%) caíram. Já as horas trabalhadas na produção (+1,8%) e a massa salarial (+0,3%) cresceram, enquanto a utilização da capacidade instalada-UCI (-0,1 ponto percentual) ficou quase estável, com um grau médio de 81,1%. “Os resultados de setembro não alteram o cenário que vem sendo observado no setor industrial gaúcho. A indústria gaúcha evolui dentro do previsto para 2018, devendo encerrar o ano com crescimento, mas distante de recompor as perdas de mais de 20% do período 2014 a 2016”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

De janeiro a setembro, dos seis indicadores do IDI-RS, quatro cresceram: compras industriais (10%), faturamento real (3,6%), utilização da capacidade instalada (1,5 ponto percentual) e emprego (0,9%). Dois caíram: horas trabalhadas na produção (-0,5%) e massa salarial real (-2,8%). Dez dos 17 setores incluídos na pesquisa tiveram expansão na atividade industrial até setembro: Veículos automotores (16,5%) segue sendo o principal responsável pelo avanço. As indústrias de Metalurgia (16,9%), Produtos de metal (3,7%), Borracha e plásticos (3,3%) e Tabaco (2,5%) também deram contribuições importantes. Em sentido contrário, Bebidas (-2,1%), Têxteis (-7,9%) e Vestuário e acessórios (-6,8%) forneceram os maiores impactos negativos.

Fonte: FIERGS